sábado, 30 de abril de 2016

On 08:22 by Erminio Melo in    No comments

Para o Vereador Fernandinho e provável candidato  a prefeito do bloco da situação, não tinha saída, era fugir ou fugir, apos ter anunciado em uma sessão anterior que votaria a favor dos professores, o vereador não teve escolha, no dia da votação teve que  viajar para não comparecer a sessão, tudo isso por que não era do interesse do gestor Ivan Padilha  de  aumentar o salário dos professores. As redes sociais detonaram os quatro vereadores que votaram contra os professores, foram eles: LUIZ DO PORTO; TETE, GILBERTO E ADAILTON TODOS DO PMDB, mas mesmo assim eles deram a cara a tapa, já o provável pre- candidato do bloco do prefeito,( Fernandinho) para se blindar teve que fugir. Na realidade o vereador fernandinho se por acaso for eleito o que será quase impossível, nada vai fazer pela classe dos professores.
On 06:14 by Erminio Melo in    No comments
Durante todo o dia de quinta-feira (28), no Fórum Dr. Silveira Martins, em
Mossoró, aconteceu a 4ª reunião para apresentação do
Plano Integrado das Eleições 2016, para juízes eleitorais e chefes de
cartórios.Com participação maciça, a reunião iniciou às 9h, com
abertura pela presidente do TRE-RN, desembargadora Maria Zeneide
Bezerra, e apresentação das informações sobre o processo de planejamento
das eleições, incluindo ajustes e limitações orçamentários, o sistema
execução do planejamento e o Portal das Eleições, pelo assessor de
de padronização de logística (PadLog 2.0) para acompanhamento da
Planejamento e Gestão Estratégica (ASPLAN), Iaperi Gabor Damasceno
mesários, serviço voluntário, treinamentos e serviço extraordinário) e Arbocz.
Na sequencia foram apresentados os procedimentos relativos à pessoal para as eleições (deslocamento, estagiários,
No turno da tarde, o secretário de Tecnologia da Informação e Comunicação (STIC) e o Coordenador de
informações gerais, pela Secretária de Gestão de Pessoas (SGP), Andrea Carla Guedes Toscano Campos.
Logística de Eleições, Marcos Flávio Nascimento Maia e Tyronne Dantas de
biométrico ordinário e revisional e falaram sobre teste de segurança das
Medeiros, respectivamente, apresentaram os critérios que foram adotados
para certificação das Zonas que se destacaram durante o cadastro
do pleito, conduzidos pela STIC.urnas eletrônicas, bem como detalhamento dos procedimentos operacionais
Na ocasião, o Juiz Eleitoral e o Chefe de Cartório da 47ª ZE receberam da Presidente do TRE/RN o
certificado de destaque no cadastramento biometrico com selo prata.
Presentes ao avento os juízes Éderson Solano Batista de Morais (18ª ZE), Aline
Daniele Belém C. Lucas (29ª ZE), Fátima Maria C. Soares de Lima(31ª ZE),
Mendes Junior (34ª ZE), Renato Vasconcelos Magalhães (36ª ZE), Kennedi
Uefla Fernandes(32ª ZE), Patrício Jorge Lobo Vieira (33ª ZE), Cláudio de Oliveira Braga (47ª ZE), Edino Jales de Almeida Júnior (49ª ZE),
Amaral Duarte (58ª ZE).Marivaldo Dantas de Araújo (24ª ZE), Giulliana Silveira de Souza Lima
(57ª ZE) e a diretora do Fórum Eleitoral de Mossoró, Daniela Rosado do Ainda participaram efetivamente da reunião com sugestões, questionamentos e esclarecimentos, os chefes de cartórios com sedes nos municípios de Angicos - Thereza Regina Pereira
Padilha, Assu - Carlos Rogério Torres Teixeira, Campo Grande - Maria da
Conceição Fernandes Brito, Areia Branca – Rodrigo Nunes, Mossoró – Luiz
Upanema – Edson Ricardo da Silva , Afonso Bezerra – Aledson de Souza
Sergio Monte Pires, Francisco Marcio e Jailson Cardoso da Costa, Caraúba – Ulisses Souza da Costa, Pendências –Antonio Eder Ferreira de Lima,
Moura e Governador Dix-sept Rosado, Aldenir da Silva.
On 06:08 by Erminio Melo in    No comments
A Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE/RN), órgão do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), divulgou comunicado que a emissão de carteiras de trabalho estará suspensa temporariamente a partir da próxima segunda-feira (2) em treze estados, incluindo o Rio Grande do Norte.

Pelo comunicado, em função da implantação na nova versão do sistema CTPS (versão 3.0) nesses estados, será necessário suspender a emissão de carteira de trabalho a partir da próxima semana com previsão de retorno em 16 de maio.


O serviço deverá ser suspenso tanto nas Centrais do Cidadão, quanto nas prefeituras e sindicatos que fazem o serviço.

sexta-feira, 29 de abril de 2016

On 19:00 by Erminio Melo in    No comments

Em uma assembleia realizada hoje dia 29/04/2016 às 20:00 horas, os professores da rede municipal de Pendências, decidiram  entrar em greve em protesta contra a atitude do prefeito e seus vereadores em não repassar o aumento  de 11,35% que os mesmo têm direito e não foi repassado pelo gestor municipal. Na ultima terça feira os vereadores do bloco governista em uma atitude covarde,votaram contra os professores. Agora quem vão pagar o Pato são os alunos. Parabéns prefeito e parabéns senhores vereadores pelo golpe dado na população.

quinta-feira, 28 de abril de 2016

On 17:52 by Erminio Melo in    No comments


Na noite de ontem a Câmara Municipal Pendências viveu um clima tenso com a realização de mais uma seção ordinária, onde na oportunidade estava em pauta o projeto de lei 632/2016 que se tratava de um veto onde o chefe do executivo reajustava de 11, 36% para 7, 16% reduzindo o salário dos professores do município. 
 Como já era esperado os educadores lotaram as dependências da casa para assistir e ver de perto o posicionamento de cada parlamentar, após vários discursos bonitos por parte dos vereadores da situação veio a surpresa.

O presidente  da Câmara  Valdemar  Bezerra submeteu em votação  o referido projeto,  nesse caso a votação foi secreta, mais mesmo assim todos os parlamentares exceto  Francisco Nunes (Teté) declararam seu voto e pelo placar de 4 votos a 3 os professores  foram derrotados  no plenário da Câmara.

O vereador Fernandinho  que disse na última seção que votaria a favor dos professores não compareceu a seção desta terça-feira. Já o presidente da Câmara  Valdemar Bezerra, disse em seu discurso que se tivesse direito a voto, votaria contra o veto e a favor dos professores
 Os vereadores que votaram a favor dos professores do município foram: Carlos Montenegro, Franklin de Lima e a Vereadora Zilda.
Enquanto os demais vereadores  votaram contra os professores para não ir contra a vontade do atual gestor. Dentre eles foram: Gilberto, Adaílton, Teté e Luiz do Porto.
 Após a tumultuada sessão professores gritavam palavras de ordem “Greve já” "Ministério público", um paredão de som esteve em frente a câmara e serviu para professores desabafarem suas indignações com tamanha vergonha do que viram na triste noite de terça-feira em Pendências.

Comenta-se que uma greve está sendo preparada por parte dos professores municipais
On 09:16 by Erminio Melo in    No comments
O Diário Oficial do Estado (DOE) publicou na edição desta quarta-feira (27) a alteração da Lei Complementar Estadual nº 308 que concede aposentadoria por invalidez com proventos integrais para pessoas com doenças graves, incuráveis ou contagiosas.
Dentre as doenças estão tuberculose ativa, alienação mental, esclerose múltipla, neoplasia maligna, cegueira posterior ao ingresso no serviço público, hanseníase, cardiopatia grave, doença de Parkinson, paralisia irreversível e incapacitante, espondiloartrose anquilosante, nefropatia grave, hepatopatia grave, estados avançados do mal de Paget (osteíte deformante), Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (AIDS) e contaminação por radiação, com base em conclusão da medicina especializada.
Para o governador Robinson Faria a sanção do projeto representa muito não apenas para os servidores que se enquadram na lei como também para as famílias. "Essas doenças trazem grande desconforto a todos que acompanham o sofrimento dos pacientes. A alteração da lei tem como objetivo amenizar o sofrimento e proporcionar mais qualidade de vida", disse o chefe do Executivo Estadual.

quarta-feira, 27 de abril de 2016

On 10:01 by Erminio Melo in    No comments
 Ontem Câmara Municipal pendências realizou mais uma seção  ordinária onde na oportunidade estava em pauta o  projeto de lei 632/2016 que se tratava de um veto onde o chefe do executivo reajustava de 11, 36% para 7, 16% reduzindo o salário dos professores do município.
 Como esperado os educadores lotaram as de pendencias daquela casa para assistir e ver de perto o posicionamento de cada parlamentar, após vários discursos  bonitos por parte dos vereadores da situação ex que veio a surpresa.

O presidente  da Câmara  Valdemar  Bezerra submeteu em votação  o referido projeto,  nesses casos a votação é secreta, mais mesmo assim todos os parlamentares excerto  Francisco Nunes ( Tete) declararam seu voto e pelo placar de 4 votos a 3 os professores  foram derrotados  no plenário da Câmara, vale ainda salienta que o vereador Fernandinho  que disse na última seção que votaria a favor dos professores não compareceu a seção, mais isso já era de ser esperado pois esta postura e típica dele nessas horas, então  o mesmo também votou contra os professores do nosso município, o presidente da Câmara  Valdemar Bezerra disse em seu discurso que se tivesse direito a voto, votaria contra o veto e a favor dos professores.

Os vereadores que votaram a favor dos professores do município  foram: Carlos Montenegro, Franklin de Lima e a Vereadora Zilda. (os defensores dos professores)



Esses quatro, Gilberto, Adailton, tete e Luiz do porto votaram contra os professores ( São os carrascos dos professores)
 Esse é Fernandinho vereador fujão,  não compareceu a sessão por que tinha prometido votar a favor dos professores, só que na hora certa o prefeito Ivan Padilha mandou que ele recuasse e ele recuou.

terça-feira, 26 de abril de 2016

On 05:38 by Erminio Melo in    No comments
FÁBIO ZANINI e NATUZA NERY - Folha de São Paulo
O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso defende a entrada do PSDB num eventual governo Michel Temer, com indicação de cargos. Segundo ele, o partido tem "responsabilidade política" e não pode se recusar a participar.
O partido está rachado: FHC coloca-se ao lado do senador José Serra, cotado para o governo, na defesa de indicação de ministros. Do outro lado está o governador Geraldo Alckmin, que advoga apenas apoio congressual. O partido tomará uma decisão no próximo dia 3.
Apesar de defender o impeachment, FHC diz que a presidente Dilma não é "criminosa" e afirma que "é bom" que o PT se mantenha como força política. Otimista, diz que sua confiança de que Temer fará uma boa gestão atinge 7, numa escala de 0 a 10. "Mas sou realista também. [Temer] É o que tem".
*
Folha - O PSDB deve ter cargos em um governo Temer?
Fernando Henrique Cardoso - Não se pode colocar o carro adiante dos bois. Temer não é presidente ainda. Sendo presidente, tem que dizer o que quer. Na situação atual, tem que pensar no país. Tem que ver qual é o núcleo fundamental do governo, decidir quais são as áreas e qual o programa.
Esse programa do Temer, "Uma Ponte para o Futuro", tem corte liberal. O PSDB se sente confortável com ele?
É mais liberal. Mas depende de que venha outro da área social. Tem que ver como eles vão equilibrar isso aí. O PSDB tem responsabilidade política pelo que está acontecendo, porque apoiou o impeachment. Então não pode simplesmente dizer não entro [no governo]. Eu sou propenso a entrar desde que as condições sejam explicitadas. Entrar como partido, indicando nomes, porque a situação do Brasil é mais grave do que aparece.
Não é ruim ser sócio minoritário de um governo que não é seu, numa situação de crise?
A política é um jogo arriscado. Quem está nessa tem de estar sempre preparado para sair do governo. Se não for por um certo caminho, você não tem razão para continuar. Não pode, por exemplo, interferir na Lava Jato.
O senhor tem medo que algum acordão aconteça?
Não acredito que haja condição de acontecer.
Mas acha que vão tentar?
Que vão tentar, vão. Não por ser governo do PMDB, é porque abrange tanta gente que certamente vão tentar. O PSDB deve estar disposto a dizer: "nessa eu não entro".
É possível entrar num governo que promete corte de gastos, desvinculação orçamentária, talvez reduzir Bolsa Família?
Não se trata de cortar, se trata de dar um sentido mais realista e eficiente aos programas. Todos os programas do Brasil padecem da falta de avaliação. Isso não é ser de esquerda nem de direita, isso é ser racional. O governo, queira ou não, não tem mais de onde tirar dinheiro. Eu nem vou discutir aumento de imposto, porque vai haver.
É inevitável?
Inevitável. Basta olhar as contas. Se depender de mim, o PSDB apoiaria [aumento]. Depende de qual, né?
CPMF?
Não sei. CPMF é muito regressivo, eu fiz e depois defendi a queda dele. Precisa ver. Se eu fosse o presidente colocaria no Ministério da Fazenda alguém que entendesse de duas coisas: política fiscal e Congresso.
O sr. colocaria o Serra?
O Serra é um que poderia. Mas tem vários que podem.
Henrique Meirelles?
O Meirelles é mais política monetária do que fiscal. Nós não temos problema cambial neste momento. O Armínio também entende [da área fiscal], o Pedro Parente, tem várias pessoas.
Até que ponto pode atrapalhar o fato de Temer não ter a legitimidade de ter sido eleito como cabeça de chapa?
Isso é um fato. Ele tem a legitimidade democrática, porque teve tantos votos quanto a Dilma, embora muitas pessoas não saibam. Agora, como é que ele pode ter legitimidade, ser aceito? É pela realização, é pelo que fizer. Depende, em grande medida, da capacidade que tem em aglutinar.
O senhor se referiu a Dilma como uma mulher honesta.
Sempre.
Parece justo o impeachment de uma mulher honesta?
A Dilma não é criminosa. O processo é político. Com base jurídica, mas é político. Quando você perde a capacidade de agregar e de dar direção ao país, fica numa posição frágil. Infelizmente, o governo da presidente Dilma se desmilinguiu. Ela cometeu crime de responsabilidade fiscal e contra lei orçamentária, são ações concretas.
O sr. foi uma espécie de primeiro-ministro de Itamar. Temer deveria ter um também?
Se o Temer souber falar com o país, não precisa de primeiro-ministro nenhum.
Não parece ser o perfil dele...
As pessoas têm de usar a ocasião e mudar.
Se o Temer fizer uma gestão satisfatória, pode disputar a reeleição em 2018?
Se o povo quiser, não há o quer fazer. É bom para o PSDB? Não, o PSDB quer ir direto para o governo, mas se Temer for bom, e o Brasil quiser isso...
Como o sr. vê o futuro do PT?
O PT tem enraizamento, portanto ele vai permanecer. E é bom que permaneça. Erradicar o PT, criminalizar o PT não tem o meu apoio.
Numa escala de 0 a 10, qual o grau de confiança de que o governo Temer vai funcionar?
Sete.
Quanto otimismo, hein?
Eu sou otimista, pelo Brasil. Se não acreditarmos nas coisas, você não muda nada. E sou realista ao mesmo tempo. É o que tem. Não é minha escolha. A situação é essa.
On 04:28 by Erminio Melo in    No comments
A oposição irá apresentar nesta terça-feira requerimento solicitando à Mesa Diretora da Câmara Municipal de Natal a abertura de processo de impeachment contra o prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves (PDT).
De acordo com o vereador Fernando Lucena (PT), o requerimento deverá ser posto em votação pelo presidente da Casa, Franklin Capistrano (PSB).
São necessários 15 dos 29 votos para o afastamento do gestor.

segunda-feira, 25 de abril de 2016

On 15:08 by Erminio Melo in    No comments
Por: Laryssa Borges - VEJA
A comissão especial do impeachment foi eleita nesta segunda-feira pelo plenário do Senado Federal, dando largada à contagem regressiva para o julgamento que deve determinar, na segunda semana de maio, o afastamento da presidente Dilma Rousseff por até 180 dias. Dos 21 senadores titulares da comissão, apenas cinco são contrários ao impeachment: os petistas Lindbergh Farias (RJ), Gleisi Hoffmann (PR) e José Pimentel (CE) e os aliados Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e Telmário Mota (PDT-RR).
A comissão será responsável, na primeira etapa da tramitação do processo de impeachment no Senado, por elaborar e votar, em até dez dias úteis, um parecer sobre a admissibilidade da ação de impedimento. Na sequência, o documento é encaminhado ao Plenário do Senado, a quem cabe, se ratificar o relatório da comissão, determinar o afastamento temporário de Dilma no Palácio do Planalto. Neste caso, é necessária apenas maioria simples de votos - metade mais um dos presentes no dia da votação.
Com a provável confirmação do afastamento da presidente Dilma, é nesta fase que o vice-presidente Michel Temer assume temporariamente o controle do país, embora o procedimento de impeachment continue em tramitação no Senado, tanto para a coleta de novas provas quanto para o julgamento do libelo acusatório contra a petista, em meados de setembro.
De perfil moderado, o senador Raimundo Lira (PMDB-PB) será o presidente da comissão especial do impeachment e já começa a articular para que o advogado-geral da União José Eduardo Cardozo e o jurista Miguel Reale Jr, responsáveis pela defesa e pela acusação contra Dilma por crime de responsabilidade, sejam ouvidos ainda nesta semana. O calendário de tramitação do impeachment na comissão ainda precisa ser alinhavado com o relator do caso no Senado, provavelmente o tucano Antonio Anastasia (PSDB-MG), já indicado pelo partido para o posto.

Na sessão plenária desta segunda-feira, o PT apresentou questão de ordem alegando suspeição de Anastasia porque o tucano teria "vidente interesse no desfecho da votação", mas Renan Calheiros informou que apenas a comissão deve se debruçar sobre este impasse, e não o plenário da Casa. A primeira reunião da comissão, para oficializar a escolha do presidente e do relator, está agendada para as 10 horas desta terça-feira.
Além do presidente, compõem a comissão como titulares os senadores Rose de Freitas (PMDB-ES), Simone Tebet (PMDB-MS), Dário Berger (PMDB-SC) e Waldemir Moka (PMDB-MS). Pelo bloco parlamentar da oposição, são titulares os tucanos Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), Antonio Anastasia (PSDB-MG) e Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), além do democrata Ronaldo Caiado (DEM-GO).
No bloco de apoio ao governo, os indicados foram Lindbergh Farias (PT-RJ), Gleisi Hoffmann (PT-PR), José Pimentel (PT-CE) e Telmário Mota (PDT-RR). Completam a composição da comissão do impeachment como senadores titulares os seguintes congressistas: Romário (PSB-RJ), Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), Ana Amélia Lemos (PP-RS), José Medeiros (PSD-MT), Gladson Cameli (PP-AC), Wellington Fagundes (PR-MT) e Zezé Perrella (PTB-MG).
A comissão ainda conta com 21 senadores suplentes: Hélio José (PMDB-DF), Marta Suplicy (PMDB-SP), Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), João Alberto Souza (PMDB-MA), Paulo Bauer (PSDB-SC), Ricardo Ferraço (PSDB-ES), Tasso Jereissati (PSDB-CE), Davi Alcolumbre (DEM-AP), Humberto Costa (PT-PE), Fátima Bezerra (PT-RN), Acir Gurgacz (PDT-RO), João Capiberibe (PSB-AP), Roberto Rocha (PSB-MA), Cristovam Buarque (PPS-DF), Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Sérgio Petecão (PSD-AC), Wilder Morais (PSD-AC), Otto Alencar (PSD-BA), Eduardo Amorim (PSC-SE) e Magno Malta (PR-ES). Entre os suplentes, cinco senadores - Capiberibe, Randolfe, Humberto Costa, Fátima Bezerra e João Alberto - são contrários ao impeachment. Não declararam voto outros três: Roberto Rocha, Otto Alencar e Acir Gurgacz. Uma vaga de suplente a ser indicado pelo PMDB ainda está em aberto.
Michel Temer - Na sessão que elegeu a comissão do impeachment, um grupo de senadores ditos independentes apresentou questionamento para que o processo de impedimento de Dilma tramitasse em conjunto com um pedido já apresentado contra o vice-presidente Michel Temer, mas que ainda precisa ser analisado em uma comissão especial na Câmara. Renan Calheiros, porém, negou o pedido.